Header Ads

CQC perde classe e mistura humor e grosseria ao fazer piada com Roberto Carlos

por Flávio Ricco
O "CQC" da Band, no gênero, é um dos melhores da tevê na temporada. Indiscutível. O programa de segunda-feira (27) esteve entre os mais engraçados. Verdade também. Até aquela bobagem da câmera balançando, nervosa, que só irritava o telespectador, foi arquivada. Não existe mais. E misturar humor com jornalismo-denúncia é uma fórmula infalível, como foi o caso do Hospital Santa Maria, no Distrito Federal. Tudo muito bom, tudo muito bem, menos o que aconteceu depois da matéria em Ouro Preto, levada ao ar no último programa. Na volta, ao responder a pergunta de Marcelo Tas se conhecia as obras do Aleijadinho, Rafinha Bastos, num momento tremendamente infeliz, disse algo assim: "conheço, 'Emoções', 'Detalhes'... e tem também o Wagner Montes". Ou, "ele, o Wagner Montes...". Foi mal. Baixou o nível demais. Quem faz ao vivo precisa pensar um pouquinho antes de falar, porque depois não tem conserto. E, se não foi improviso, teve texto, o que é pior ainda. Lamentável em ambas situações. Podia muito bem passar sem essa.

Nenhum comentário

Olá! Seja muito bem-vindo, nós já sabíamos, que você iria registrar seu comentário nesta informação. Para interagir é fácil. Redija seu comentário, em seguida marque uma das opções da caixa comentar como. Coloque seus dados eletrônicos, mas atenção nada de caracteres especiais (@, _ etc). Ok. Preencha os caracteres de verificação de pessoas reais, e aguarde nossa apuração.

Sua opinião é muito importante para a construção da sabedoria humana.

Atenciosamente - Editores Audiência de TV

Tecnologia do Blogger.