terça-feira, 20 de dezembro de 2011

"Esquenta", da Regina Casé, apresenta erros primários de edição

O “Esquenta”, da Globo, com a Regina Casé, foi um achado. Tem a descontração desejada e uma produção sempre competente.

Mas a sua edição, a exemplo do que acontecia no ano passado, continua lamentável. Ainda são muito comuns os disparos de imagem e insertes que nunca combinam. Existem cortes para mesma pessoa, em momentos e reações completamente diferentes.

Tem uma justificativa
A gravação de cada “Esquenta”, na maioria das vezes, chega a passar de 9 horas, e o milagre da sua redução para pouco mais de 60 minutos de arte deve necessariamente acontecer na ilha de edição.

Não há santo que consiga. A finalização é sempre muito ruim. Não tem porque gravar tanto. Só o que vale e decupa o necessário.

Um comentário:

  1. Este programa representa a própria degradação do ser humano, é futil demais, usam de pessoas que também não tiveram uma boa base de conhecimentos para expo-as e com com isso se prevalecer de uma minoria que também por algum motivo não fixa o atrativo cultural do programa para tentar audiencia.

    ResponderExcluir

Olá! Seja muito bem-vindo, nós já sabíamos, que você iria registrar seu comentário nesta informação. Para interagir é fácil. Redija seu comentário, em seguida marque uma das opções da caixa comentar como. Coloque seus dados eletrônicos, mas atenção nada de caracteres especiais (@, _ etc). Ok. Preencha os caracteres de verificação de pessoas reais, e aguarde nossa apuração.

Sua opinião é muito importante para a construção da sabedoria humana.

Atenciosamente - Editores Audiência de TV