sábado, 10 de dezembro de 2011

Programa reduz a história da telenovela às produções da Globo

Mauricio Stycer

A data é relevante e a homenagem tinha tudo para ser “inesquecível”, como prometeu Sergio Chapelin: um “Globo Repórter” sobre os 60 anos da telenovela no Brasil. Resultou, infelizmente, numa espécie de “Video Show” dedicado a tecer loas à produção da própria emissora.

Exibida duas vezes por semana, na TV Tupi, “Sua Vida me Pertence”, de Walter Forster, estreou em 21 de dezembro de 1951. Gloria Maria disse o título da novela, citou o famoso beijo de Vida Alves em Forster, entrevistou a atriz , mas conseguiu não mencionar o nome da Tupi.

É verdade, e ninguém contesta, que a Globo, a partir de 1965, se tornou a principal produtora de novelas do país. Deu uma cara ao gênero, estabeleceu um padrão e virou uma referência. Mas o que aconteceu nos 14 anos anteriores? E as muitas novelas importantes realizadas fora da Globo nestes 60 anos? E as produções da própria emissora em sua fase pré-histórica?

Com exceção de uma rápida menção ao clássico “Beto Rockfeller”, o programa sugeriu que a história da telenovela no Brasil é a história das novelas feitas pela Globo a partir da década de 70.

Mal começou o “Globo Repórter”, Chapelin perguntou: “O Brasil é ou não é o país da novela? Ela é ou não é a paixão nacional?” Não houve respostas para estas questões.

Em compensação, vimos muitas cenas das atuais novelas da casa, em especial “A Vida da Gente” e “Fina Estampa”, além de entrevistas com nomes emblemáticos do cast da emissora – Francisco Cuoco, Regina Duarte, Tony Ramos, Gloria Pires, Mariana Ximenes, Cauã Raymond e Lima Duarte. Este último, por sinal, derramou-se em elogios a Roberto Marinho.

Nenhum autor, nenhum diretor, nenhum executivo. Além dos atores, o “Globo Repórter” ouviu “operários da magia”, segundo Chapelin: uma costureira, uma figurinista, um cenógrafo. Ou seja, um programa raso, pouco preocupado em ir além do óbvio e muito “chapa-branca”.

Um programa, aliás, bem aquém do próprio padrão de qualidade que o “Globo Repórter” exibiu um dia. Basta assistir ao programa feito para lembrar os primeiros 40 anos da telenovela, disponivel no site da emissora, exibido originalmente em 1991. A diferença é gritante.

2 comentários:

  1. o pessoal da globo nao gosta muito de relembrar o passado a muitos arquivos de audio e video que a emissora teve ter toda vez que eles fazem alguma homengem ou revive cenas de novelas e outros assuntos mundam de assunto e passam coisas que nao tem nada a ver com o programa

    ResponderExcluir

Olá! Seja muito bem-vindo, nós já sabíamos, que você iria registrar seu comentário nesta informação. Para interagir é fácil. Redija seu comentário, em seguida marque uma das opções da caixa comentar como. Coloque seus dados eletrônicos, mas atenção nada de caracteres especiais (@, _ etc). Ok. Preencha os caracteres de verificação de pessoas reais, e aguarde nossa apuração.

Sua opinião é muito importante para a construção da sabedoria humana.

Atenciosamente - Editores Audiência de TV