Header Ads

TV Brasil quer sair do traço, mas falta dinheiro para investimento

No ar há pouco mais de quatro anos, a TV Brasil, TV pública nacional criada pelo presidente Lula, ainda é pouco conhecida. Em São Paulo, maior cidade do país, pouca gente sabe que pode sintonizá-la nos canais 62 (analógico) e 63 (digital). Sua audiência não passa de 0,1 ponto. Ou seja, traço.

O jornalista Nelson Breve, há dois meses presidente da emissora, quer mudar esse quadro. "Minha missão é fazer a comunicação pública ser conhecida e valorizada. Não podemos nos sentir ofendidos quando alguém fala que não somos conhecidos. Não somos mesmo", admite.

Não será uma missão fácil. Embora tenha um orçamento anual de R$ 400 milhões, um "caminhão de dinheiro" para uma emissora pública, menos de 20% desse total (ou cerca de R$ 70 milhões) pode ser investido em equipamentos e novos programas. O resto já está comprometido com despesas de custeio (pessoal, produção).

E a verba que o governo federal investe na TV Brasil pouco cresceu desde que ela foi fundada. Neste ano, em valores reais, até caiu em relação a 2011.

Para aumentar os recursos, Breve aposta no que chama de "captação". Quer buscar patrocínios de estatais como a Petrobras para telejornais, apoio cultural a programas e propaganda institucional.

No ano passado, a TV Brasil captou R$ 20 milhões nesse mercado. É pouco.


Melhorar o sinal

Nelson Breve reconhece que a qualidade do sinal é um dos principais problemas da TV Brasil. "O sinal é muito importante melhorar", afirma. A TV, orgulha-se, tem uma "programação de qualidade, não no topo das TVs públicas mundiais, mas acima da média".

Porém, com apenas R$ 70 milhões para investir, a TV Brasil não pode falar em novos e potentes transmissores para São Paulo. Aqui, pelo menos, há canais próprios, embora distantes das TVs abertas que monopolizam a audiência (Globo, Record, SBT, Band).

Em capitais importantes como Belo Horizonte, a EBC (Empresa Brasileira de Comunicação, a estatal que administra a TV Brasil e rádios públicas federais) só tem canal digital. Em Estados importantes, como Paraná e Rio Grande do Sul, depende de parcerias com TVs públicas estaduais.

Breve aguarda, com certa ansiedade, a definição do projeto da Telebrás para a criação do operador de rede. O operador de rede será uma empresa que administrará torres de antenas e a distribuição de sinais de canais públicos, como a TV Senado e a própria TV Brasil. O crescimento nacional da TV Brasil depende do operador de rede.

Para melhorar o sinal da TV Brasil, que chega "lavado" às operadoras de TV paga, Breve pensa em mudar o uplink (subida) do Rio para Brasília.

Reestruturação

Para impulsionar seus projetos, Breve comanda uma reestruturação na emissora. Nos próximos dias, deve anunciar o assessor da Casa Civil André Barbosa como superintendente de engenharia, operações e TV digital.

Barbosa foi um importante interlocutor do governo na implantação da TV digital no Brasil.

Deverá ser criada também uma diretoria de captação, focada na busca de recursos extra-orçamentários, de patrocínios, por exemplo.

Diálogo com São Paulo

Ainda neste ano, segundo Breve, deverá ser lançado um jornal local em São Paulo, para que a cidade apareça em sua programação. "Hoje a gente é quase repetidora em São Paulo, não uma geradora. Precisamos dialogar com a cidade", diz.

O telejornal depende da contratação de profissionais. E, tão cedo, não será possível produzir mais programas na maior metrópole do país. "O orçamento não está nos permitindo", lamenta.

Nenhum comentário

Olá! Seja muito bem-vindo, nós já sabíamos, que você iria registrar seu comentário nesta informação. Para interagir é fácil. Redija seu comentário, em seguida marque uma das opções da caixa comentar como. Coloque seus dados eletrônicos, mas atenção nada de caracteres especiais (@, _ etc). Ok. Preencha os caracteres de verificação de pessoas reais, e aguarde nossa apuração.

Sua opinião é muito importante para a construção da sabedoria humana.

Atenciosamente - Editores Audiência de TV

Tecnologia do Blogger.