Header Ads

Zeca Camargo vê excesso de críticos de TV em busca de audiência na internet

Maurício Stycer.

Zeca Camargo, apresentador do “Fantástico”, escreveu um longo texto em seu blog sobre os críticos de televisão que atuam na internet. É raríssimo ver uma reflexão deste porte por alguém de dentro do mundo da TV. De um modo geral, as pessoas do meio reagem com xingamentos e ofensas ao trabalho dos críticos. Ou preferem o silêncio.

Por este motivo, o texto de Zeca já merece leitura. Vou aqui tentar resumir dois de seus principais argumentos. Primeiro, ele nota que há um excesso de gente se ocupando de escrever sobre TV e associa este fenômeno à facilidade oferecida pela internet. Numa homenagem a Paulo Francis, que tripudiava do grande número de críticos de cinema da “Folha” nos anos 80, o apresentador do “Fantástico” brinca e diz que há hoje em atividade “786 críticos de TV”.

O problema central, na visão de Zeca, é o seguinte: “eles estão mesmo preocupados em ‘olhar para a televisão’ ou simplesmente atrair leitores”? Ele próprio responde: “A maioria dos ditos críticos já se dão por contentes de papagaiar o próprio universo ‘trash’ que a maioria das atrações que atraem algum público oferece”.

Em outras palavras, Zeca lamenta que os críticos, em sua maioria, preferem falar dos programas ruins porque eles atraem mais leitores para os seus textos. “BBB 12” e “Dercy de Verdade” estreiam nesta terça-feira, lembra o jornalista. “Qual dos dois programas você acha que vai ser mais ‘analisado’ pelos ‘críticos de plantão’?”, pergunta.

Eu acrescentaria duas questões para uma futura reflexão de Zeca. Primeiro, acho que seria interessante pensar mais profundamente sobre o lugar da internet, na comparação com o jornal, na promoção e no debate hoje sobre o entretenimento e a cultura popular.

Ainda em menor escala, mas como a televisão, e diferentemente do jornal, a internet tem um alcance de “comunicação de massa” – e isso faz toda a diferença na análise que se pretenda fazer sobre o meio.

A questão da audiência, creio, se torna mais relevante para quem escreve na internet, assim como para quem produz em TV, do que em jornal. É fato. De que forma esta preocupação afeta a qualidade do que se escreve é, sim, um tema importante, como aponta Zeca. Quase tão importante quanto a busca desesperada pelo público que orienta a programação da televisão aberta no Brasil.

O “BBB12” merecer mais “análises” (as aspas são do Zeca) do que “Dercy” (acima) não é o maior problema, na minha opinião. O problema é a falta de coragem, ousadia e inventividade que domina a maior parte das cabeças no comando da televisão. O simples fato de o reality show estar programado para ir ao ar às 22h15 e a minissérie às 23h20 exemplifica isso.

Haveria espaço para “786 críticos de TV” se a programação fosse melhor?

Nenhum comentário

Olá! Seja muito bem-vindo, nós já sabíamos, que você iria registrar seu comentário nesta informação. Para interagir é fácil. Redija seu comentário, em seguida marque uma das opções da caixa comentar como. Coloque seus dados eletrônicos, mas atenção nada de caracteres especiais (@, _ etc). Ok. Preencha os caracteres de verificação de pessoas reais, e aguarde nossa apuração.

Sua opinião é muito importante para a construção da sabedoria humana.

Atenciosamente - Editores Audiência de TV

Tecnologia do Blogger.