Header Ads

Morre Chico Anysio, gênio do humor brasileiro

Com senso crítico que não poupou ninguém, o cearense Francisco Anísio Vianna de Oliveira Paula criou 209 personagens que marcaram gerações de brasileiros

São muitas as maneiras possíveis para definir quem foi Chico Anysio. A que menos faz justiça à abrangência de sua obra é o habitual “humorista”. O termo “sociólogo do riso”, cunhado pelo jornal O Globo em 1973, é uma muito boa tentativa. Mas ainda é pobre para dar conta de um talento multifacetado, que ao longo de 64 anos de carreira arrancou gargalhadas de gerações de brasileiros pobres, remediados e ricos, intelectuais e analfabetos. O cearense de Maranguape Francisco Anísio Vianna de Oliveira Paula, morto às 14h52m nesta sexta-feira, aos 80 anos, foi um iconoclasta. Sua postura crítica não conhecia limites. Seu humor espicaçou a ditadura militar e invadiu a democracia denunciando a corrupção. Na galeria de tipos cômicos criados por ele, é possível detectar vergonhas nacionais como o coronelismo, o populismo, o analfabetismo. Mas sua obra não se limita a temas “sérios”.

Ao contrário. Chico foi um militante do politicamente incorreto, décadas antes do surgimento desse conceito. Debochou de feios, de gays, de gente burra, de pais de santo, e também de seus colegas de rádio e TV. E passeou com desenvoltura por uma gama de personagens (209, de acordo com seu site) que iam do humor mais sutil ao mais escrachado. Chico Anysio estava afastado da TV Globo, onde só fazia participações esparsas em Zorra Total, e não escondia sua mágoa. Mas o ostracismo recente não lhe roubou um lugar único na história da TV: nenhum outro expoente do humor – nem mesmo Jô Soares e Renato Aragão – teve reinado mais longo e inconteste na emissora de maior audiência no país. Por extensão, nenhum outro humorista exerceu tanta influência sobre os brasileiros quanto Chico Anysio.

Chico Anysio estava internado desde o dia 5 de dezembro no hospital Samaritano, no Rio. Ele chegou com infecção urinária. Recebeu alta no dia 21 de dezembro de 2011, mas voltou a ser internado no dia seguinte por causa de uma hemorragia intestinal. O quadro evoluiu para uma pneumonia. A causa de sua morte foi uma parada respiratório e falência múltipla dos órgãos, decorrente do choque séptico causado pela infecção pulmonar.

No começo de 2011, Chico passou três meses hospitalizado por causa de dores no peito. Na ocasião, ele foi submetido a uma angioplastia para desobstrução de artéria, seguida de uma traqueostomia e uma endoscopia.

Nenhum comentário

Olá! Seja muito bem-vindo, nós já sabíamos, que você iria registrar seu comentário nesta informação. Para interagir é fácil. Redija seu comentário, em seguida marque uma das opções da caixa comentar como. Coloque seus dados eletrônicos, mas atenção nada de caracteres especiais (@, _ etc). Ok. Preencha os caracteres de verificação de pessoas reais, e aguarde nossa apuração.

Sua opinião é muito importante para a construção da sabedoria humana.

Atenciosamente - Editores Audiência de TV

Tecnologia do Blogger.